O que você encontra aqui?

Coisas do mundo e conceitos da autora, que tem uma visão contemporânea do comportamento humano.

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Empoderamento Bipolar




“Empoderamento é a ação social coletiva de participar de debates que visam potencializar a conscientização civil sobre os direitos sociais e civis. Outro sentido para empoderamento é o seu termo em inglês empowerment, que pode ser traduzido como “delegação de autoridade”, que consiste numa abordagem a projetos de trabalho que se baseiam na delegação de poderes de decisão, autonomia e participação dos funcionários na administração das empresas”.

Hoje o empoderamento é uma expressão muito usada. Fala-se em empoderamento para tudo: causas femininas, relacionamentos conflituosos, empresas. Considero essa expressão o novo ícone da década ou sei lá o que. A exemplo do estímulo ao individualismo, dos anos 80. O PENSE EM VOCÊ MESMO, da época.

E já que voltamos algumas décadas, vamos falar de outras? Pois então... já nos anos 90, focou-se um pouco mais no coletivo, mas sempre com uma visão mais oportunista das relações, reforçada pela globalização dos negócios e da relevância da informação, com um acesso aumentado vertiginosamente em relação a década passada. A informação deixa de ser privilégio de poucos, com o fortalecimento da internet. INFORMAÇÃO É PODER e... CONSUMISMO.

A primeira década do novo século (ano 2000) tentou fortalecer um espírito mais hedonista, com um consumo mais consciente e a valorização da SUSTENTABILIDADE sob todos os aspectos. Além disso, a mudança de classes sociais, onde a CLASSE MÉDIA representou uma mudança gigantesca ao comportamento, interferindo muito no consumo e na economia, de forma geral.

E a partir do ano 2010, fortalecem-se as questões da intolerância racial, da orientação sexual e das escolhas religiosas, pesando no comportamento filosófico das pessoas. A política passa a ser mais discutida, mas não necessariamente com o intuito da melhora coletiva, e sim como uma moeda de PODER, estimulada pela abertura das ferramentas de comunicação através das redes sociais. O PODER DO EU: EU COMENTO, EU CURTO, EU COMPARTILHO (não pelo coletivo, mas pela imagem pessoal). Eu e os meus. Que têm a mesma visão que eu.

Em uma época onde tudo é baseado em pesquisas (vide os artigos comportamentais), saliento que essa visão não é alicerçada em uma tese ou pesquisa, e sim, trata-se de uma visão estritamente pessoal, com base em minha vivência e experiência de vida e na observação do comportamento humano. O que, como diz a descrição desse blog, é a essência do que publico: minha visão de mundo. Ou seja, aqui expresso crenças pessoais, fortalecidas também por minhas pesquisas e análises de textos, conversas, experiências em sala de aula como professora e com base em meu trabalho de comunicação e marketing.

E a década que vivemos, é composta de que? 
Aponto algumas questões, para tentarmos construir o que ainda estamos vivendo:

  1. Grave crise econômica mundial, modificando padrões sociais
  2. A diminuição dos empregos formais, gerando necessidade urgente do estímulo ao empreendedorismo
  3. A popularização da internet de modo geral, especialmente através dos dispositivos móveis, fortalecendo as redes sociais como uma ferramenta de relacionamento e comunicação vital à sociedade de forma exponencial
  4. A quantificação das pessoas a partir de seus hábitos de comportamento, gerando clusters de consumo ou consumer groups
  5. O crescimento da intolerância religiosa, ampliando o preconceito de forma generalizada com os ataques terroristas
  6. Críticas e a não aceitação com relação a corrupção praticada pelas lideranças políticas, refletindo em uma análise inicial da corrupção praticada por toda a população
  7. Muitos desastres gerados por causas naturais e humanas em todo mundo, em conseqüência dos hábitos de vida da população mundial
  8. Saúde mundial em decadência, gerada pelo surgimento e proliferação de novas doenças, inclusive pandemias e epidemias
  9. O desrespeito às instituições e autoridades, gerando uma onda gigantesca de crise na segurança pública
  10. Os jogos eletrônicos se fortalecem como business de gente grande (big data e a internet das coisas)
  11. Grandes descobertas científicas, tornando a ficção científica o mais tangível e verdadeiramente possível
  12. O crescimento dos esportes e das artes como um todo (música, cinema, artes plásticas e cênicas, street arts), incorporados cada vez mais ao cotidiano comportamental das pessoas e das empresas
  13. A criação de ícones e os chamados “super-heróis” advindos dos mais diferentes canais e origens, com o crescimento da efemeridade do sucesso temporário, pois o que se entendia como o “cinco minutos de fama”, tornam-se tanto efêmeros como formadores decisivos dos padrões de comportamento, sendo um grande paradigma: como algo que pode ser tão efêmero tem tanto controle e determinação sobre nossas vidas?
  14. A infantilização dos adultos, que estão cada vez mais dependentes e irresponsáveis, sem noção de que não têm mais 20 anos (culto ao corpo em excesso e competição com mais jovens, em questões ligadas a vaidade pessoal), apresentando comportamentos de não responsabilização perante as relações interpessoais
  15. A moda sendo cada vez mais como um reflexo de nosso tempo, onde todos os gêneros são valorizados, em uma civilização cada vez mais bipolar (tripolar, quadripolar e por aí afora) na forma de agir




Pois esses ESTAMOS nós. A questão é saber se seremos sempre e efetivamente assim ou apenas estamos um tantoquasebastantemuito estranhos. Bipolares ao extremo. Gente estranha em uma festa esquisita. By Life.

Nenhum comentário:

EBAAAA! Bom te ver!


Penso, logo, existo. E... se você está aqui, quer saber como eu penso. Se quer saber como eu penso, no mínimo, é curioso.


Curiosos ALOHA fazem bem para o mundo. Então, é nós no mundo, porque não viemos aqui a passeio!


Busco uma visão de longo alcance, sem aceitar verdades absolutas, preservando valores ALOHA, que são o ideal para um mundo mais honesto e verdadeiro.

Assuntos desse blog

Siga-me por email