O que você encontra aqui?

Coisas do mundo e conceitos da autora, que tem uma visão contemporânea do comportamento humano.

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

O lobo que mora dentro de você



"O lobo pode perder os dentes, porém sua natureza jamais" 
(PROVÉRBIO ROMENO)

Era para ser só. Sim. Aquilo.

Mas não. Quantas vezes seres humanos dizem isso na vida? Se eu já ouvi?

Sim. E ás vezes, não.

Ouve-se isso de pessoas corajosas. Que enfrentam seus sentimentos.

Sim. Independente do que façam.

A verdade, na vida, é que a vida não é uma linha reta.


Nossas verdades absolutas, convicções, aquilo que acreditamos, às vezes deixamos de acreditar. Nossas convicções mais convictas, às vezes nos pregam peças.

Mudamos. Porque aprendemos. Conosco e com os outros. Com dor ou sem dor. Com emoção, ou sem emoção.

E nisso tudo, como seria mais prático que as pessoas fossem mais verdadeiras e diretas. Todos perdem menos tempo com a verdade. Para coisas legais e não tão legais.

Paciência. Já disse: "Melhor uma verdade bendita que uma mentira maldita". Essa frase é minha.

Aprendemos, com os anos de vida, que muitas oportunidades foram perdidas...

... por coisas que deixamos de falar. Coisas que eu deixei de falar, ou que deixaram de falar.

"A necessidade de ir ao teu encontro é proporcionar ao medo de não conseguir voltar". Grande frase. E ela pode terminar com exclamação, interrogação, reticências ou ponto final. Esse último, dói mais. Só de pensar, dói.

Só quem tem coragem, fala. Porque no fundo, todos nós pensamos. Esse medo que faz com que a gente pense várias vezes antes de fazer. É bom. E não é.

É necessário. Mas nem tanto. Nos protege, mas nos limita. Descendo ou subindo... com emoção ou sem emoção?

Difícil. Ninguém disse que viver, é fácil. Sabe por que?

Porque sempre teremos escolhas. Apenas, precisamos arcar com elas. E aí, ISSO é difícil. De novo.

"A mudança nunca é dolorosa...
... apenas nossa resistência à mudança é dolorosa." 
(by Buda)

Tudo muda. As empresas. O planeta. As pessoas. Tudo. O que você imagina e o que não imagina. Aceite que dói menos.

Tudo pode ser mudado. É só dedicação e esforço. Só não mudamos, quando não queremos ou nossa força de vontade é insuficiente. E comportamento, não deveria ser regido necessariamente por paradoxos, pois são "crenças ordinárias e compartilhadas pela maioria". E a maioria, ou a unanimidade, pode ser "burra", como diz Nelson Rodrigues.

Antes uma verdade BEM DITA (ou bendita) do que uma mentira MALDITA! Não aprecio mentira ou fazeção.

E sim, mentimos. Todos nós. Pode ser um hábito (daí é péssimo), em situações extremas, ou onde a verdade exigiria mudanças drásticas. A vida é feita disso. Mas seria bem melhor, se não fosse.

Mas quando você mentir, que seja por um motivo extremo. Não um hábito. Hábitos nos definem. Atitudes isoladas, não. Podem ser situacionais.

É complexo. Por isso, defendo os Psicólogos como algo mais efetivo. Desconfio da Auto-Ajuda. Uso reticências quanto a ela...

A vantagem da verdade, é que ela nos permite mudar. É como se tivéssemos uma chance de começar de novo. Podemos estar em mentira, mas não viver constantemente nela. Acho que é aí que entra a Psicologia. Ela nos ajuda a nos conhecermos. E conhecendo-nos, conhecemos a verdade.

Conhece-te a ti mesmo, e conhecerás o mundo. Já foi dito por alguém mais inteligente que eu.


PS: Ser um lobo não é ruim. Ao contrário. Lobos são coletivos. Sua natureza é livre. E podemos ser livres ao estarmos juntos. A questão é: o quanto essa junção nos faz voltar a nossa própria essência? O quanto ela nos faz voltar de volta ao nosso lar interior?

NÃO É FÁCIL SE JOGAR. Mas às vezes, pode ser bom. Não existem garantias. A vida é feita de escolhas, já disseram antes de Dóris. RETICÊNCIAS.

Conversas de banheiro




Banheiros são algo estranho. Íntimos e ao mesmo tempo coletivos.

E representam um lugar onde se podem estabelecer boas conversas, que tal?

Por isso, aqui vão algumas sugestões de frases inteligentes para banheiros, ao invés daquelas frases bobinhas ou aquelas que se aconselha não serem publicadas.


Aqui vão elas:

Que falta faz um arzinho, pôxa!

Sempre seja parceiro de seus amigos que ficaram com você quando era pobrão!

Preconceitos são extremamente limitantes.

Então é com você. Perdeu, playboy!

Sempre prefiro a primeira. Suporto bem a terceira. Mas tenho pânico da segunda.

Raciocinar é sexy, pode ter certeza disso. A inteligência é um afrodisíaco.

A pior mentira é aquela para nós mesmos. Ela nos congela. E gela relações.

Nem sempre é fácil entender a mente do outro. Quase nunca.

Quem enxerga nossa alma não é perigoso. Tem uma uma ligação suprema e nunca efêmera. Está dentro de nós.

Ele passa rápido demais! Só com multa!

Ou seja: só levantando a bunda da cadeira. Operação LBC = Levanta a Bunda da Cadeira.

A medida que evoluímos e crescemos espiritualmente, acho que percebemos isso. Pode ser sim.

Apertar o botão do FODA-SE não é fácil!
Pois o amor não é fácil, nada fácil. E mais difícil, é sem ele.
Muitas coisas podem ser. É só querer. É?

Conselho: leve sempre um pedacinho de papel na bolsa ou no bolso, hello!

PS: As frases-legendas abaixo das imagens, são BY ME = Dóris Hess

Discordar nas redes sociais e gente tóxica




Em uma discussão, defendo meu ponto de vista até certo ponto. Com argumentos. Depois desse certo ponto, o que resta é balançar a cabeça e seguir adiante. Estou tentando ser sábia. E não é fácil, dependendo da sua personalidade.

Estamos vivendo essa época... gente que pode tornar-se tóxica. PRECISAMOS NOS POLICIAR.

Critique, mas não para vencer. E sim, para contribuir. Exponha, mas não para divergir, e sim para simplesmente, conversar. E especialmente, se tiver uma opinião contrária, não estenda a discussão.


Defenda até certo ponto. Se perceber que a pessoa não concorda com você, volte a ligar mais tarde, diga algo suave, amenize. Fale abobrinha, que seja.


Nunca esqueça: discussões devem nos ampliar a mente, não ser eternas. Especialmente, no perfil alheio. Seja aloha namastê.


Não precisamos o tempo todo concordar ou discordar. Prefira manifestar-se quando concordar. Se não concordar, deixa assim. Mas principalmente, não desfaça uma amizade porque você pensa diferente. Você pode perder a oportunidade de crescer analisando visões diferentes.

Não queira conviver somente com os iguais. Os iguais até nos fortalecem, mas são os diferentes que nos fazem aprender. CRESCER. E bem na real, mas bem na real, olha como eu penso: se não concordo, não curto. Não comento. Especialmente, no perfil alheio. Afinal de contas, se você não concorda, seu silêncio falará por você.

NÃO SEJA GENTE TÓXICA.


quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Um rosto bonito




Nossa beleza nos é herdada, nossa inteligência é construída. Logo, dizer que você é belo não é um elogio, é um fato. Apenas um.

Mas chamá-lo de inteligente, legal, admirá-lo por suas atitudes, conhecimento e forma de enxergar o mundo, ISSO é um elogio.

Da campanha #meuamigosecreto, vi o depoimento de uma amiga, e transcrevo aqui: "Meu amigo secreto diz que só se aproximam de mim pela minha aparência que tenho um emprego por "ser bonitinha". Me reduz a um rosto bonito. Meu amigo secreto veste muitas máscaras, ora é amigo... ora é um estranho qualquer o que não muda é o ato de tentar me diminuir, ditar que não sou capaz "porque isso é coisa pra homem".

Pois lhe respondi o seguinte: "Isso tem 2 nomes: insegurança e miopia. Insegurança que ele demonstra ter na própria capacidade; e miopia por enxergar somente o óbvio a uma característica sua, mas que é somente uma, querida pessoa. Diga que você repassará esse elogio a seus pais, que lhe fizeram. E que até o próximo amigo secreto, você espera que ele alcance a sua inteligência e possa vê-la."

Machismo está impregnado na mente e só não nota, quem é. 
Mostre isso. E olha:

Você pode e deve dizer que alguém é belo, se é. Isso alimenta nossa auto-imagem e auto-estima. Mas não é nosso belo rostinho ou corpão que nos faz manter alguma coisa. É o que fazemos. Nossas atitudes. O crachá só se mantem com muito, muito trabalho. 


Paradigmas e jovens



O que é um paradigma? O LIMITE DA INTELIGÊNCIA, é o que digo.

Mas existe uma definição retirada da internet: “Etimologicamente, este termo tem origem no grego paradeigma que significa modelo ou padrão, correspondendo a algo que vai servir de modelo ou exemplo a ser seguido em determinada situação. São as normas orientadoras de um grupo que estabelecem limites e que determinam como um indivíduo deve agir dentro desses limites”.

Pois AMOOOOO falar com gente jovem. E parem de falar que jovens não têm cabeça ou são irresponsáveis. Na boa, idade, sexo, cor, nada disso determina caráter e forma de pensar. Como Profe de adultos, conheço jovens MARAVILHOSOS. E como sempre tive facilidade em lidar com todas idades, me relaciono bem com jovens. Só tem que ter algumas características: 
- inteligência
- curiosidade
- determinação
- acreditar em si e em seus propósitos
- ter bom caráter e muuuuuita boa vontade

Parem de acreditar em verdades absolutas. Elas formam paradigmas. Contra esses, precisamos tomar cuidado:
Você tem que vestir a camiseta. 
O cliente sempre tem razão. 
Todos homens são iguais. 
Toda mulher inteligente é um perigo.

PS: Quanto ao último que escrevi, acima, a resposta seria: "Ah, tá: perigo de você se apaixonar, né?"

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Ser o SER Tia



Acho que já escrevi sobre isso, mas preciso repetir: amo ser tia. Mas tia mesmo, daqueles serzinhos especiais que são filhos de seus irmãos. Um pouco filhos de você. Seres que se ama tanto, que ás vezes dói a distância.

Os anos, a vida, podem afastar esse amor. Mas sempre estarão lá, lá dentro do coração. Vale para a tia e os sobrinhos. Amores eternos. De várias encarnações, provavelmente.

Pois então. Eles sempre terão e farão várias aventuras, e em muitas, estaremos presente.

Dei o primeiro skate aos meus sobrinhos, com orgulho. Se eles desenvolverão esse esporte? Não sei. Mas estimulei algo que acho muito legal: o esporte. Especialmente, o radical. O resto, é com eles, também.

Um de meus sobrinhos, o primeiro que chegou aqui, tem uma sequência de fotos, tiradas por sua outra tia, minha irmã. Olha só:


Nessas fotos, ele tinha... 02 meses!



E a poucos dias, outro sobrinho de 3 anos e meio saiu com essa, FATO REAL (soltou essa pérola no carro de papi e mami dele, o pai dele havia ligado o rádio, escutando o jogo):

"Pai, troca o rádio? Quero ouvir Rock and Roll" (o pai dele trocou o dial da Gaúcha para outra rádio pop).

Meu sobrinho questiona: "Mas olha, essa música não é Rock and Roll. Isso que tá tocando não é guitarra, é violão".
It´s Rock and Roll, MAN!
Eita, isso que é ouvido musical. E eita, essa geração é DOUTRO MUNDO. Ah, adivinha o que ele quer ganhar do Papai Noel?



De louco e político, todos têm um pouco?



 TÁ LOKO. Frase repetida por um amigo, uma das mais inteligentes que ouvi nos últimos tempos: "O mundo é um hospício". (by Albert Einstein)


E falando um pouco em hospício, que parece ser o que estamos vivendo (ou seria inferno?), pense sobre isso: como seria importante baixar o salário de TODOS os políticos. Independente de cargos: de vereadores a deputados. E VEJA ESSA, “Porque caem os presidentes:

Dilma Rousseff reúne as três condições que, à luz da história são comuns aos governantes de democracias destituídos do seu cargo:

- Altamente impopulares
- Perdem apoio no Congresso
- Arruínam a Economia do país".

Destaque dessa edição, vale a pena ler:

Na mesma época, veja as capas de outras grandes Revistas do país: 



E o que você acha? Diminuição dos salários dos políticos? Ou corte dos salários, em alguns cargos? Pense a respeito. Não de forma individualista, mas de forma a pensar na coletividade. PENSE.

(A imagem inicial desse post, remete ao ELOGIO DA LOUCURA, de Erasmo de Roterdã)

Uma droga em sua vida




Uma das melhores campanhas que a RBS fez, de Marketing Social, foi a “CRACK, NEM PENSAR”.

Na época, o crack era uma droga que não tinha essa repercussão social que tem hoje, ou muitos não a conheciam. Creio que a campanha foi feita nos primeiros anos de 2000. Imagino que em 2005, por aí. Lembro que causou polêmica, e pessoas mais conservadoras pensavam que isso poderia estimular o uso. Idiotas. Mostrar que algo existe, estimula o uso? NÃO! Alerta para a existência e os males do uso.

HELLO. Acorda o cérebro, please.

Hoje, sabe-se do mal que ela causa. Crackeiros, Cracolância, são expressões que dizemos no cotidiano.

De certa forma, estão banalizados. Acostumamos com as tragédias da vida real.

Mas não dá prá ser assim.

Segundo alguns especialistas (e eu acredito nisso), tudo começa pela maconha. Não pelo moralismo, persona. Mas pensa pela lógica. E veja isso:

Excelente esse texto do Paulo Germano (um tudo de bom colunista da Zero Hora), um dos mais corajosos que li, aliás. Fundamental esse raciocínio, nos faz pensar. PENSE.

Independente se você é contra ou a favor da legalização, uma coisa é certa: QUE FAZ MAL, FAZ. Isso não dá para negar. PENSE. Especialmente se alguém que o usou, atesta isso. PENSE.


Só pelo título, você já sabe que o texto é de rachar cabeção. Muuuuuuuito bom. E olha que tudo também essa análise-palestra: “O oposto do vício é a conexão”.

Pois acredito que criar conexões, é gerar MOTIVOS. Objetivos. ASSISTA esse vídeo. Vale a pena: https://www.ted.com/talks/johann_hari_everything_you_think_you_know_about_addiction_is_wrong?language=pt-br#t-371000

Ao invés de drogas na vida, transforme sua vida em adrenalina. Pratique ESPORTES DE AVENTURA! Olha a dica:  http://www.minas.rs/festival/

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Efemerizar



Saiba de algo que sempre acreditei: o efêmero, não precisa ser efemerizado.

Pessoa, você pode ter uma única noite (ou dia, ou meio-dia, ou hora) com alguém, e aquele momento, não necessariamente ser efêmero. Pode ser eterno. De duas formas:

     1) Eterno na sua cabeça: fica em nível de fantasia e de história a sempre ser lembrada, mas não necessariamente repetida

     2) Eterno porque você irá repetir muitas vezes: torna-se tão intenso que é impossível não repetir

Essas relações efêmeras podem tornar-se relacionamento? Não sei se a primeira, mas a segunda, com certeza. E pode tornar-se uma paixão tão visceral que se torna amor. Ou um amor tão intenso que torna-se visceral. Sei lá.

Nunca entendi (ou entendo, mas não gosto) como algumas pessoas (e muitas), especialmente meninos, têm essa necessidade de efemerizar (antes que me digam, a palavra efemerizar não deve existir de vero) relações. Mas efemerizar não é respeitar o efêmero.

O efêmero é bom. Efemerizar, não. Efemerizar é vulgarizar relações. Nesse caso, nunca tornam-se relacionamentos.

Medo do compromisso? Um pouco clichê. Mas acho que é isso mesmo. Não sou menino, não penso como vocês, mas arrisco o pensar, até por minha experiência de ouvidos (escutando cases) e na pele.

Ou seja... sim, tive amores e paixões vapt vupt: evaporaram sem ao menos saber o porquê.

Aliás, por que não dizem o porquê? Motivos existem aos milhões, e tenho dificuldade de entender essa necessidade atroz do ser humano em não lidar bem com a verdade.

Uma verdade maldita vale mais que uma mentira bendita (essa frase é de Dóris, by ME). E quanto ao silêncio? Hello, não suma. Ou se sumir, avise que vai sumir. Já virou commoditie comportamental pessoas terminarem relações efêmeras assim: vapt vupt, ou em um passe de mágica... cadê o lindinho? É tão mais elegante dizer tchau!

Ok, mas se a outra parte for maluquinha e der uma de “Pipoca maluca”, estourando por todos os lados... problema é dela. Você foi elegante o suficiente para fazer a sua parte. 

Dar o fora não é dar no pinote. Você pode terminar com alguém sem machucar essa pessoa.

E mais doído que o não, é não saber o motivo do não.

Lide mais com a verdade. É mais fácil para todos. E quando você menos esperar, pegou o bichinho da sinceridade e passou esse vírus adiante. O vírus da elegância nas relações. Até nas relações efêmeras. Sem efemerizar.

Como dizia uma querida assistente/profissional que trabalhou comigo: tem que cultivar.

Pois então: cultive relações. Elas podem tornar-se relacionamentos. E no mínimo, quando lembrarem do que aconteceu, sendo namorados, casados ou cases sem título, irão dar boas risadas juntos. E de sobra, sobra um carinho na alma.


Respira fundo e se joga. E aperta o botão do FODA-SE O MEDO. Não tenha medo. Sinta e viva.

Caçadoras X Devoradoras




Espero realmente que ninguém interprete isso como machista. Porque não é minha intenção. E o que escrevo, nunca é.

Ao contrário: abomino o machismo, o considero burro. Logo, se alguém achar que o texto está machista (mais ao final), por favor, explicarei mais meu ponto de vista.

Também não sou feminista. Apenas enxergo o que acontece e formo minhas opiniões, e percebo sim, que existem muitas atitudes machistas pelo mundo. Praticadas por homens e mulheres.

Em um dia da vida de 2015, vi o anúncio abaixo (omiti a marca para evitar maiores debates), que foi veiculado em uma página de perfil empresarial (fanpage) de uma rede social. Em poucos minutos, gerou tantos comentários contrários, que tiraram da página. Deletaram o post.



Muito infeliz esse anúncio. É o legítimo: EXPLODO MINHA MARCA. Ou EU ME ODEIO. Só pode. Quem criou isso, pecou por uma suposta criatividade "Peppa Pig": SEU BOBINHO! E quem aprovou, vive em outro século. Não nesse.

Ao menos, as reclamações surtiram efeito. Coisas como essas, precisam ser evitadas. E reclamadas.

Sou Publicitária, e sei da responsabilidade social que existe quando divulgamos algo, através da propaganda. Formamos opinião, através dos nossos clientes (seja como Agência) ou nossos empregadores (seja como Departamento de Marketing).

Não podemos criar absurdos e nem deixar de alertar aqueles que aprovam, com o cuidado que se deve ter ao veicular uma campanha. Comunicar é formar opinião. Consequentemente, transformar a sociedade.

E só não percebe o machismo, o racismo ou o preconceito nos dias atuais, quem pratica o próprio.



Mas vamos ao assunto inicial: Caçadoras X Devoradoras. Vamos lá. Poderá ser polêmico. Respira fundo e se joga.

Tenho um amigo, que diz que gosto de colocar coisas e pessoas em caixinhas de definições. Ele não diz que isso é ruim, apenas uma característica. Eu acho, ao menos. Mas não fica mais fácil, assim? Eu acho. E lógico.

Aí alguém vai dizer que relações não são lógicas. O que? Essa é a merdinha. Não ser lógico nas relações, até as viscerais. SIM, cabeção! Podemos ser lógicos. Na real, é do ser humano, pensar. Pensando, você torna-se lógico. Ou deveria. E quanto mais pensarmos, lógicos seremos. Não é ruim ser lógico. É uma delícia. Experimenta, pôxa.

Pois existem vários tipos de mulheres. Homens. Pessoas. Mas vamos fazer filtros (publicitários e profis de marketing, amam filtros).

Nesse texto, vamos analisar uma situação específica. Vale para mulheres solteiras. Que estão buscando relações. Ou uma relação. Enfim, estão a busca de algo. Preferencialmente, alguém. Uma parceria. Para a vida inteira, ou para uma noite. Ou um dia. Ou uma hora.

Não se choca. Você já é bem grandinho ou grandinha para saber que a vida é assim. Não “se faz”. “Semi-virgem”? Não leia. Ou leia e pense. E espere para viver. Pois então, vamos lá.
Mulheres caçadoras:
- Tomam a iniciativa quase sempre
- São intensas, mas nem sempre, com uma inconstância dessa intensidade
- Contabilizam o número de conquistas e amam sua liberdade de escolha
- Pensam o tempo todo em surpreender com sua persona
- Caçam no sentido de buscar constantemente. Mas nem sempre buscam constância. 
- Querem o prazer, tanto o sexual como o sentir-se sensual
- Apreciam a conquista acima de tudo
Mulheres devoradoras:
- Quase nunca tomam a iniciativa, só quando já estão “dentro” da relação, não importa o tempo que tenha a relação
      - São a intensidade em pessoa, mas de forma mais discreta. Não precisam expressar isso na roupa ou modo de ser, necessariamente. Mas no olhar, sim. E nas atitudes, idem
- Fazem da relação uma intensa história
- Pensam o tempo todo em surpreender com atitudes
 - Procuram sentido nas relações, mesmo que breves relações, e quando encontram, investem inclusive e fortemente no sentido carnal
-  Querem o prazer sexual mas procuram dar prazer ao extremo
- Apreciam a repetição quando são conquistadas

Ambas são intensas e decididas. Sabem que relações são compostas de procuras. Respeitam-se e aceitam-se como fêmeas. Têm orgulho de serem mulheres. Com suas diferenças.

PS 1: Lembre que esse é um blog pessoal com opiniões pessoais e que esses exemplos são genéricos. Não exemplificam alguém em especial. Se você encaixa-se em algum deles, legal. Se não e não concorda, crie seu blog.

PS 2: Seja elegante. Por um mundo virtual mais elegante e pacífico para que a vida real seja mais legal.

PS 3: Além de uma guerreira caçadora ou devoradora, toda mulher tem seu lado meigo, doce e feminino. E nem por isso, submisso.

PS 4: O que você é, o que eu sou? Quem lhe teve ou tem, sabe. Quem lhe terá, saberá.



EBAAAA! Bom te ver!


Penso, logo, existo. E... se você está aqui, quer saber como eu penso. Se quer saber como eu penso, no mínimo, é curioso.


Curiosos ALOHA fazem bem para o mundo. Então, é nós no mundo, porque não viemos aqui a passeio!


Busco uma visão de longo alcance, sem aceitar verdades absolutas, preservando valores ALOHA, que são o ideal para um mundo mais honesto e verdadeiro.

Assuntos desse blog

Siga-me por email