O que você encontra aqui?

Coisas do mundo e conceitos da autora, que tem uma visão contemporânea do comportamento humano.

quinta-feira, 25 de março de 2010

Intra-empreendedorismo X OU E Incomodação Zero?




Existem duas vertentes atuais nas empresas: intra-empreendedorismo e incomodação zero.

Vejam a definição de cada uma delas:

- Intra-empreendedorismo: é a versão em português da expressão intrapreneur, que significa empreendedor interno, ou seja empreendedorismo dentro dos limites de uma organização já estabelecida. O conceito de intra-empreendedorismo foi estabelecido há duas décadas, mas as empresas não estavam dispostas a dar aos empregados a liberdade para criar e, conseqüentemente, errar e oferecer-lhes um orçamento para financiar inovação, além do mais não queriam arcar com os custos dos erros que inevitavelmente acontecem no percurso. Hoje esse conceito já está muito difundido e valorizado nas organizações. O intra-empreendedorismo (intrapreneuring) é um sistema revolucionário para acelerar as inovações dentro de grandes empresas, através do uso melhor dos seus talentos empreendedores. É um sistema que oferece uma maneira saudável para se reagir aos desafios empresariais do novo milênio (Exli - Excelência em intra-empreendedorismo - consultores credenciados pela ONU – Organizações das Nações Unidas).

- Incomodação zero: O sociólogo polonês Zigmunt Bauman nos revela que o novo perfil do trabalhador procurado pelas empresas, não é mais exatamente aquele que prima por valores, com princípios e tradições sólidas. O mais novo filtro utilizado nesta escolha é de outra natureza. De acordo com Bauman, desde 1997, usa-se nos EUA uma expressão que designa o perfil de trabalhador que o mercado procura, o chamado “chateação zero”. A expressão cômica, mas extremamente reveladora, nos mostra que o trabalhador que possuir menos fatores potenciais para chatear ou incomodar a empresa durante o seu labor será aquele com maior chance de conseguir a vaga. Por exemplo, um sujeito dotado de família e filhos tem o seu nível de chateação elevado, pois provavelmente não terá tanta flexibilidade para aceitar tarefas em qualquer horário ou local. Ora, se você é um empregado que ousa questionar as relações e que procura cumprir as suas obrigações, cobrando dos demais o mínimo de responsabilidade, saiba que você possui um nível de chateação elevadíssimo. Vantajoso é ser alguém descomprometido com a realidade social, com laços afetivos frágeis e que possa estar sempre à disposição. A preferência é por “empregados ‘flutuantes’, acríticos, descomprometidos, flexíveis, ‘generalistas’ e, em última instância, descartáveis (do tipo ‘pau pra toda obra’, em vez de especializados e submetidos a um treinamento estritamente focalizado)”, afirma Bauman. O mercado de trabalhadores é também um mercado de produtos.

E prá mim, sinceramente, elas parecem antagônicas. Como uma empresa pode querer empreendedorismos internos, se não quer “incomodar-se”???? Não quer gente com vida fora do eixo profissional, por exemplo? Ou com opinião própria? Como ser criativo e inovador, sem visão de mundo, sem orientação para a crítica e análise? Não entendo isso muito bem.

Por isso, como diz a Lya Luft, “Trabalhar é sofrer”, da Revista Veja de 20 de Janeiro de 2010. Veja aqui, alguns trechos do texto dela: “O trabalho enobrece” é uma dessas frases feitas que a gente repete sem refletir no que significam, feito reza automatizada. Outra é “A quem Deus ama, ele faz sofrer”, que fala de uma divindade cruel, fria, que não mereceria uma vela acesa sequer. Sinto muito: nem sempre trabalhar nos torna mais nobres, nem sempre a dor nos deixa mais justos, mais generosos. O tempo para contemplação da arte e da natureza, ou curtição dos afetos, por exemplo, deve enobrecer bem mais. Ser feliz, viver com alguma harmonia, há de nos tornar melhores do que a desgraça. A ilusão de que o trabalho e o sofrimento nos aperfeiçoam é uma ideia que deve ser reavaliada e certamente desmascarada.

O trabalho tem de ser o primeiro dos nossos valores, nos ensinaram, colocando à nossa frente cartazes pintados que impedem que a gente enxergue além disso........Prefiro, ao mito do trabalho como única salvação, e da dor como cursinho de aperfeiçoamento pessoal, a realidade possível dos amores e dos valores que nos tornariam mais humanos. Para que se trabalhe com mais força e ímpeto e se viva com mais esperança.

O trabalho que dá valor ao ser humano e algum sentido à vida pode, por outro lado, deformar e destruir. O desprezo pela alegria e pelo lazer espalha-se entre muitos de nossos conceitos, e nos sentimos culpados se não estamos em atividade, na cultura do corre-corre e da competência pela competência, do poder pelo poder, por mais tolo que ele seja.

Assim como o sofrimento pode nos tornar amargos e até emocionalmente estéreis, o trabalho pode aviltar, humilhar, explorar e solapar qualquer dignidade, roubar nosso tempo, saúde e possibilidade de crescimento. Na verdade, o que enobrece é a responsabilidade que os deveres, incluindo os de trabalho, trazem consigo............


Se concordo com o título do texto da Lya? Sim... infelizmente. Num mundo louco que vivemos, concordo sim. Porque não se sabe ao certo, como agir para sofrer menos. Especialmente, no trabalho.

Tem um livro que li a algum tempo: “Um pavão em terra de pingüins”. É uma fábula corporativa, onde uma empresa, composta por diretores tradicionalmente pinguins (que simbolizam a mesmice, o fazer sempre do mesmo jeito) resolvem contratar um pavão, porque ele pensa e faz diferente.

Pois bem. Ele entra na empresa.

Os outros pinguins passam a rejeitá-lo. No inicio, ele supera isso. Até consegue fazer umas mudançinhas. Outras mudanças até, mais expressivas. Mas depois de um tempo, os pinguins diretores chamam ele e pedem: “Você poderia se adaptar a nossa cultura... não faça tantas mudanças, vá mais devagar.”

Até que o pavão agüenta um tempo. Mas chega um momento, um triste momento de encruzilhada, que ou ele vira um pinguim, ou ele sai da empresa.

E então, o que você faria?

Pois é, os motivos que nos colocam nas empresas, ás vezes são os mesmos que nos tiram delas.

E POR QUE, POR QUE SERÁ QUE OS MELHORES SEMPRE FICAM COM “AS BOMBAS”? Veja: http://imgs.sapo.pt/sapovideo/swf/flvplayer-sapo.swf?file=http://rd3.videos.sapo.pt/v5urAwzZwmpy4QRvV5rf/mov/1

E outra questão: você é intra-empreendedor ou quer ser um jogador do time dos incomodadores zero? Ou os dois (se é que dá prá ser os dois ao mesmo tempo...)?

E sobre o pavão em terra de pinguins, veja: UM PAVAO NA TERRA DOS PINGÜINS, relata de uma forma bem humorada e de fácil aceitação um tema cada vez mais importante na realidade das empresas nos dias de hoje: o espaço dado para os novos membros de uma equipe mostrar as suas idéias e se destacarem. Trata-se de uma reflexão sobre como e porque as pessoas criativas e com iniciativa, devem ser respeitadas e valorizadas dentro das empresas. Traz dicas de comportamento para pavões (ou qualquer das outras aves exóticas abordadas) e pingüins, discutindo como deveria ser o ambiente de trabalho ideal (a Terra da Oportunidade), e o que fazer se você ainda não encontrou o seu, ou transformou a sua empresa num deles.


E então: pavão ou pinguim?

domingo, 21 de março de 2010

Cadeirantes estão na moda?




Criei uma chamada polêmica, prá exatamente, chamar sua atenção. O que “está na moda”, é discutir sobre seus problemas e sobre sua realidade, e isso é muito bom. Empatia, ou seja, colocar-se no lugar (mesmo aqueles que não o são). E garra prá quem o é.


Você sabe o que são cadeirantes? Definição encontrada na internet: “Pessoa que sofre a ausência da sensibilidade das pernas, ou então, da amputação das mesmas, por conta de algum problema físico ou mental, se tornando dependente da cadeira de rodas para se locomover.”

Esse é um tema atual, e a novela Viver a Vida, da Globo, está fazendo a gente pensar mais a respeito.

Tive uma experiência que me aproximou um pouco do tema. Em 2008 (já escrevi sobre isso nesse blog, por isso não vou me repetir) sofri um acidente que me deixou de muletas alguns meses... e percebi o valor de caminhar. Agradeço todos os dias por caminhar... pois você não tem noção de como é difícil depender de outra pessoa, por mais que essa pessoa nos ame. São vários sentimentos, sensações que só quem passa, sabe a extensão. O valor das pequenas coisas: sentir o vento, a areia tocar os pés, correr prá fugir, caminhar ao lado de alguém... uma cadeira de rodas ou qualquer utensílio de apoio, nos limita. Por isso, não tenho pena de quem tem que enfrentar uma situação assim, ou tem a sua vida completamente mudada por isso. O que sinto com relação as pessoas que passam isso, e buscam a cada dia, pequenas-grandes vitórias, é ORGULHO. ORGULHO pela superação, da dor (gente, isso dói mesmo), da vergonha, da falta de inclusão, da dependência da boa vontade e bom senso de outros... gente, vocês que estão sob a tutela de uma cadeira de rodas ou sei lá mais o que, eu admiro vocês. Vocês são heróis de todos os dias. Chorem, lutem, busquem a melhora. Todos os dias. E descubram outros potenciais em vocês: artistas, escritores, sei lá... descubram algo prá fazer. Não desistam nunca.

E a nós, que não precisamos desse apoio (e podemos passar a precisar de uma hora prá outra, a vida pode mudar a cada neno-segundo), vamos perceber de uma vez por todas que cadeirantes são heróis, lutadores admiráveis. E vamos lutar por melhorias de inclusão em locais públicos, nas ruas, nos centros comerciais, em cada lugar.

A gente nunca sabe quando algo pode acontecer prá qualquer um de nós ou de nossos entes queridos.

Veja quem luta de verdade: http://diversao.terra.com.br/gente/noticias/0,,OI4308119-EI13419,00-ExBBB+Fernando+se+identifica+com+Luciana+de+Viver+a+Vida.html

Veja mais, do blog criado para apoiar o assunto, oriundo da novela que já citei no inicio desse texto: http://www.sonhosdeluciana.com.br/

Gente, esse blog acima é de uma personagem fictícia, mas que está ajudando muita gente DE VERDADE. Por isso, a Globo está de parabéns por essa divina iniciativa. Sei que tem muita gente estimulada com isso... e é lindo!

Não poderia deixar de ilustrar uma cadeirante na vida real, que segue a profissão de modelo (e é citada também no blog da Lu): http://www.clicrbs.com.br/especial/rs/donna/19,211,2821877,Modelo-cadeirante-estrela-campanha-em-Londres.html

Isso é coisa prá ser seguida. Admirada, aplaudida e copiada. Parabéns aos heróis de verdade.

sexta-feira, 19 de março de 2010

Cadê a etiqueta dos que andam na esquerda?




O que é ETIQUETA? Veja as definições que encontrei na Internet:


- É a formalidade no trato social. Pressupõe urbanidade e respeito no trato entre pessoas.
- Regras de etiqueta são um conjunto de regras convencionadas para ajudar o relacionamento entre as pessoas. Estão divididas em Etiqueta Corporativa e Etiqueta Social, além de outras subdivisões menores, como Etiqueta a mesa e a recente Netiqueta. O conceito de etiqueta está intimamente ligado ao de Cortesia, porém vai além, sendo uma forma de a pessoa que pratica determinado código de etiqueta demonstrar esta cortesia, bem como boas-maneiras. A etiqueta usualmente reflete fórmulas de conduta às quais a tradição da sociedade consolidou.
- Etiqueta significa, literalmente, pequena ética. É um código de comportamentos elaborados para homens e mulheres viverem em harmonia na sociedade. A ética das pequenas coisas tem uma função mais nobre - tanto que está intimamente ligada às pessoas das quais se diz serem bem-educadas.


Sabe o que eu acho de fato da etiqueta? Ela deve ser praticada sempre em prol de duas coisas: coerência e bem-estar sociais. Coerência porque precisa estar de acordo com os padrões contemporâneos de cada época, e bem-estar para proporcionar conforto nas relações, e não estar acima do bom senso.

E abordo aqui, a etiqueta no dirigir. Elegância no dirigir um veículo automotor. Acho impressionante a falta de senso coletivo e a falta de percepção do espaço de algumas pessoas que, ancoradas pela lei, acabam dirigindo devagar demais na pista de esquerda. Quantas vezes encontramos pela frente, motoristas na pista de esquerda, a 80 km/h ou até menos? Se abordados, dizem que o limite é 80. Mas a questão aqui, não é essa. A verdade, é que a pista da esquerda foi feita para ultrapassar outros veículos, não andar constantemente e com o espírito “eu sou o rei do mundo”. A não ser, é claro, que você esteja numa velocidade que não atrapalhe o fluxo, ou seja, não atrapalhe aqueles que estão atrás de você. Considero muito mais perigoso um motorista lento e desatento, que um ágil e "ligado". Porque o segundo sempre estará mais atento.

Além do mais, algumas pessoas têm a legítima síndrome do guarda de trânsito. Sentem-se arrogantemente, donos do asfalto.

Se liga, gente boa! Não sou defensora dos corredores de plantão (embora eu adore dirigir rápido), mas sinceramente, não vamos atrapalhar o fluxo. Ainda mais em tempos de carros e mais carros de passeio circulando pelas rodovias. Sejamos mais atentos. E por favor, tenha prazer ao dirigir. Na boa, tenho pena de quem não gosta de dirigir e precisa. Talvez esses sejam os motoristas mais perigosos... que só perdem para aqueles que ingerem substâncias ilícitas ou álcool.

Deveria existir uma campanha assim, ó: “Não seja arrogante. Dê a passagem prá aquele que é mais rápido que você.” Ou ainda: “Dirija com prazer.” Ou essa: “Eu não sou o dono do pedaço. Pode passar.”

Senso de coletivo é vital e todos gostam. Saiba ocupar seu espaço, de forma inteligente. Caso contrário, você vai ficar parecendo os Irmãos Rocha, da Corrida Maluca.

segunda-feira, 15 de março de 2010

Tiger Woods respondeu a pesquisa?




Inteligentes traem mais ou menos?
Tem uma pesquisa circulando pelo mundo, que está causando polêmica:
http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia-tecnologia/homens-traem-sao-menos-inteligentes-diz-estudo-536691.shtml
E
http://jornalnacional.globo.com/Telejornais/JN/0,,MUL1511244-10406,00-HOMENS+COM+QI+MAIS+ALTO+SAO+MENOS+INFIEIS.html

O que eu acho disso? Sei lá... talvez os mais inteligentes mintam melhor... mas sinceramente, isso não é coisa que me preocupe. Porque acho que cada relação é uma construção, e infidelidade, embora não se tenham justificativas para tal, não pode ser condenável a seco, sem analisar todos os lados envolvidos, sabe? Quando eu era mais jovenzinha, era taxativa. Hoje, passados alguns anos e experiências, acho que traição não acontece da noite para o dia. Os sinais já acontecem bem antes dela acontecer. O importante é ficar alerta aos sinais... e evitar sofrimentos desnecessários, sabe?

Mesmo porque, quando a traição acontece, acho que já é tarde demais prá qualquer DR (Discussão da Relação). Porque no fundo, quando acontece uma traição, a relação já acabou. Talvez não de direito, mas de fato, sim. E não me venham com posições “bulchit”, dizendo que homens traem porque é dos hormônios, da natureza. Ou que mulher só trai quando tem sentimento, amor antes de sexo. Barbaridades passadas de pai prá filho (ou mãe prá filha) que não podem ser encaradas como regra. Cada traição, cada relação, tem os seus motivos e a sua história. Com h, e espera-se que construída a dois, em parceria, que seja com H MAIÚSCULO.

Ei, mas isso não quer dizer que prego a traição ou sou a favor dela, epa lá na interpretação... apenas acho que não é tão simples assim. Só tem uma coisa: perdoar traição é massacre para os dois lados. Não considero a melhor solução. A traição somente é o golpe final numa relação que já estava fadada ao THE END. É a morte definitiva de uma relação que já não era mais uma relação, muito antes da traição acontecer.

Ei parte 2: mas essa regra não vale para os Michael Douglas ou Tiger Woods (viciados em sexo), veja: http://www.docstoc.com/docs/10573164/VICIADOS-EM-SEXO OU http://estilo.uol.com.br/comportamento/ultnot/2010/02/09/descubra-como-e-ser-viciado-em-sexo.jhtm

No caso dos viciados em sexo que traem, a coisa é mais séria... e eu, tô fora mesmo. Sou mais favorável a perceber a traição, muito antes dela de fato, acontecer. Perceba os sinais, quem sabe através da Fisiognomia? Veja mais: http://www.leiturafacial.com.br/O-que-%E9-Fisiognomia-.php

Boa sorte, manos e manas! Mas creiam: entender esse remédio chamado HOMEM, nem com bula de remédio! Ou ajuda? Prá se divertir:
INDICAÇÕES: Homem é recomendado para mulheres em geral. Homem é eficaz no controle do desânimo, da ansiedade, irritabilidade, mau-humor, insônia, etc....
POSOLOGIA E MODO DE USAR: Homem deve ser usado pelo menos três vezes por semana. Não desaparecendo os sintomas, aumente a dosagem ou procure outro. Homem é apropriado para uso externo ou interno, dependendo das necessidades da mulher.
PRECAUÇÕES: Mantenha longe do alcance das amigas. Manuseie com cuidado, pois o Homem explode sob pressão, principalmente quando associado a álcool etílico. É desaconselhável o uso imediatamente após as refeições.
APRESENTAÇÃO: Mini, Midi, Plus ou Super Mega Maxi Plus
CONDUTA DE OVERDOSE: O uso excessivo de Homem pode produzir dores nas ancas, dores abdominais, entorses, contraturas lombares, assim como ardor na região pélvica. Recomenda-se banhos de assento, repouso, e contar vantagem para a melhor amiga.
EFEITOS COLATERAIS: O uso inadequado de Homem, pode acarretar gravidez e acessos de ciúmes. O uso concomitante de produtos da mesma espécie pode causar enjoo, fadiga crônica.
PRAZO DE VALIDADE: O número do lote e a data de fabricação, encontram-se no Bilhete de identidade e no cartão de crédito.
COMPOSIÇÃO: Água, tecidos orgânicos, ferro e vitaminas do complexo P. Atenção: não contém SIMANCOL.
CUIDADO: Existem no mercado algumas marcas falsificadas, a embalagem é de excelente qualidade, mas quando desembrulhado, verifica-se que o produto não fará efeito nenhum, muito pelo contrário, o efeito é totalmente oposto, ou seja, além de não ser eficaz no tratamento das mulheres, podem agravar os sintomas e até inibir o efeito do medicamento correto.
INSTRUÇÕES:
1 - Ao abrir a embalagem, faça uma cara neutra: não se mostre muito empolgada com o produto. Se fica muito seguro de si, o homem não funciona bem e vive dando defeito.
2 - Guarde em local fresco (homem fedorento não dá) e seguro (não esqueça que ele é o sexo frágil).
3 - Deixe fora do alcance daquela vizinha loira e sorridente. Ela pode fazer um estrago no seu produto.
4 - Para ligar, basta uns beijinhos no pescoço pela manhã. Para desligar, providencie uma noite intensa. Ele dorme feito uma pedra e não diz nem boa noite (falta de educação é um defeito de fábrica).
5 - Programe-o para assinar os talões de cheque sem fazer muitas perguntas.
6 - Carregue as baterias três vezes por dia: café da manhã, almoço e jantar. Mais do que isso provoca pneuzinhos indesejáveis.
7 - Em caso de defeito, algumas táticas costumam dar certo: Comece escondendo o controle remoto. Se a falha persistir, cancele o futebol do fim de semana e o chope com os amigos. Mas se o problema for grave mesmo, é preciso tratamento de choque: a única solução é a greve.
8 - Coisas que ele sabe fazer bem (trocar lâmpada, abrir vidro de palmito, azeitonas e maionese, abrir latas em geral, trocar pneu, carregar malas, pregar pregos na parede, trocar torneiras, chuveiros, etc) devem ser estimuladas.
ATENÇÃO: Homem não tem garantia e todas as espécies são sujeitas a defeitos de fábrica, como deixar toalha molhada na cama, urinar na tampa da privada, deixá-la levantada, fazer bagunça, espalhar as coisas, criticar, reclamar, se auto-exaltar, beber demais, comer cebola, esquecer datas de aniversário, roncar, etc.... Não existe conserto. A solução é ir trocando até que se ache a fórmula ideal, mas recentes pesquisas informam que ainda não foi INVENTADA; só que não custa tentar!

domingo, 14 de março de 2010

Princesinha uma b... me deixa quieta. Estou de TPM!




Puxa vida! Por que vocês homens não conseguem nos entender, lindinhos fofuxinhos? A gente é tão queridinha... O que????????? Vocês não conseguem entender? Ai, eu vou chorar! Como assim??????????? Ainda não entenderam, seus bobalhões F.D.P. !!!!!!!!!!!!!! Aiiiiiiiiiii, tô dodói... compra memédio prá mim? Sim?????

Ei, calma... a introdução, é só uma brincadeirinha...

Mas veja o que recebi por email, e desconheço a autoria. Achei tão engraçadinho (e pior, verdadeiro!!!!!!), que resolvi dedicar um texto só para o assunto:

Segundo a visão masculina, dividiu-se a TPM em 4 fases principais:


Fase 1: Fase Meiguinha


Tudo começa quando a mulher fica dengosa, grudentinha. Bom sinal? Talvez, se não fosse mais do que o normal. Ela te abraça do nada, fala com aquela vozinha de criança e com todas as palavras no diminutivo. A fase começa a chegar ao fim quando ela diz que está com uma vontade absurda de comer chocolate. O que se segue, é uma mudança sutil desse comportamento aparentemente inofensivo, para um temperamento um pouco mais depressivo.


Fase 2: Fase Sensível


Ela passa a se emocionar com qualquer coisa, desde uma pequena rachadura em forma de gatinho no azulejo em frente à privada, até uma reprise de um documentário sobre a vida e a morte trágica de Lady Di. Esse estágio atinge um nível crítico com uma pergunta que assombra todos os homens, desde os inexperientes até os mais escolados como o meu pai:

- Você acha que eu estou gorda?

Notem que não é uma simples pergunta retórica. Reparem na entonação, na escolha das palavras. O uso simples do verbo 'estou' ao invés da combinação 'estou ficando', torna o efeito da pergunta muito mais explosiva do que possamos imaginar. E essa pergunta, meus amigos, é só o começo da pior fase da TPM. Essa pergunta é a linha divisória entre essa fase sensível da mulher para uma fase mais irascível.


Fase 3: Fase Explosiva


Meus amigos, essa é a fase mais perigosa da TPM. Há relatos de mulheres que cometeram verdadeiros genocídios nessa fase. Desconfio até que várias limpezas étnicas tenham sido comandadas por mulheres na TPM. Exagero à parte, realmente essa é a pior fase do ciclo tepeêmico. Você chega na casa dela, ela está de pijama, pantufas e descabelada. A cara não é das melhores quando ela te dá um beijo bem rápido, seco e sem língua. Depois de alguns minutos de silêncio total da parte dela, você percebe que ela está assistindo aquele canal japonês que nem ela nem você sabem o nome. Parece ser uma novela ambientada na era feudal... Sem legendas... Então, meio sem graça, sem saber se fez alguma coisa errada, você faz aquela famosa pergunta: 'Tá tudo bem?' A resposta é um simples e seco: 'Tá', sem olhar na sua cara. Não satisfeito, você emenda um 'Tem certeza?', que é respondido mais friamente com um rosnado baixo e cavernoso 'teenhoo.' Aí, como somos legais e percebemos que ela não tá muito a fim de papo, deixamos quieto e passamos a tentar acompanhar o que Tanaka está tramando para tentar tirar Kazuke de Joshiro, o galã da novela que...

- Merda, viu!? - ela rosna de repente.

- Que foi?

A Fase Explosiva acaba de atingir o seu ápice com essa pergunta. Sem querer, acabamos de puxar o gatilho. O que se segue são esporros do tipo:

- Você não liga pra mim! Tá vendo que eu tô aqui quase chorando e você nem pergunta o que eu tenho! Mas claro! Você só sabe falar de você mesmo! Ah, o seu dia foi uma merda? O meu também! E nem por isso eu fico aqui me lamuriando com você! E pára de me olhar com essa cara! Essa que você faz e você sabe que me irrita! Você não sabe! Aquele vestido que você me deu ficou apertado! Aaaai, eu fico looooouca quando essas coisas me acontecem! Você também não quis ir comigo no shopping trocar essa merda! O pior de tudo é que hoje, quando estava indo para o trabalho, um motoqueiro mexeu comigo e você não fez nada! Prá que serve esse seu Jiu Jitsu? Ah, você não estava comigo? Por que não estava comigo na hora? Tava com alguma vagabunda? Aquela sua colega de trabalho, só pode ser ela. E nem prá me trazer um chocolate! Cala sua boca! Sua voz me irrita! Aliás, vai embora antes que eu faça alguma besteira. Some da minha frente!

Desnorteado, você pede o pinico e sai. Tenta dar um beijinho de boa noite e quase leva uma mordida.


Fase 4: Fase da Cólica


No dia seguinte o telefone toca. É ela, com uma voz chorosa, dizendo que está com uma cólica absurda, de não conseguir nem andar. Você vai a casa dela e ela te recebe dócil, superamável. Faz uma cara de coitada, como se nada tivesse acontecido na noite anterior, e te pede prá ir a farmácia comprar um Atroveran, Ponstan ou Buscopan prá acabar com a dor dela. Você sai prá comprar o remédio meio aliviado, meio desconfiado... 'O que aconteceu?', você se pergunta. 'Tudo bem'. Você pensa: 'Acho que ela se livrou do encosto'. Pronto! A paz reina novamente. A cólica dobra (literalmente) a fera e vocês voltam a ser um casal feliz. Pelo menos até daqui a 20 dias...


ADENDO DO AUTOR: O PIOR NÃO É ISSO, O PIOR É QUE ELAS ESTÃO LENDO ISTO E ESTÃO DANDO RISADA!!! ESTÃO DIZENDO, SOU ASSIM MESMO, E DAÍ?

É, Sr. “Autor Desconhecido”, tenho que reconhecer: a gente é assim mesmo... putz! Mas a gente é um amor, né mesmo? E vocês adooooooooram isso, vai dizer que não? Rsssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssss!!!

PS: Só tem uma coisa que eu não entendo: homem de TPM. E olha, conheço vários homens que também são de fase... sério!

sexta-feira, 12 de março de 2010

Turismo de Eutanásia: matando a dor?




Polêmica mundial: o Jornalista que declarou, depois de vários anos, que praticou Eutanásia para com seu marido/namorado (namorido?). E aí, você é contra ou a favor da Eutanásia?

Encontrei algumas posições contra e outras a favor, na internet. Veja o que separei a respeito:

Os contra:
- Do ponto de vista religioso a eutanásia é tida como uma usurpação do direito à vida humana, ou seja, só Deus pode tirar a vida de alguém. Algumas religiões, apesar de estarem conscientes dos motivos que levam um doente a pedir para morrer, defendem acima de tudo o caráter sagrado da vida.
- Da perspectiva da ética médica, tendo em conta o juramento de Hipócrates, segundo o qual considera a vida como um dom sagrado, sobre a qual o médico não pode ser juiz da vida ou da morte de alguém, a eutanásia é considerada homicídio. Cabe assim ao médico, cumprindo o juramento Hipocrático, assistir o paciente, fornecendo-lhe todo e qualquer meio necessário à sua subsistência. Para além disto, pode-se verificar a existência de muitos casos em que os indivíduos estão desenganados pela medicina tradicional mas acabam obtendo a cura por métodos alternativos.
- Outro argumento contrário a eutanásia, centra-se na parte legal, uma vez que o Código Penal atual condena qualquer ato antinatural na extinção de uma vida. Ou seja, o auxilio ao suicídio ou o homicídio (mesmo que a pedido da vitima ou por "compaixão"), é punido criminalmente na maioria dos países.
- E aqueles que se beneficiariam com a morte do paciente (parentes, heranças e etc), não poderiam estimular essa “solução” como uma forma ao auto-benefício?

Os a favor:
- Para quem argumenta a favor da eutanásia, acredita que esta seja um caminho para evitar a dor e o sofrimento de pessoas em fase terminal ou sem qualidade de vida.
- Acreditam na autonomia absoluta de cada ser individual, com direito à autodeterminação e escolha pela sua vida e pelo momento da morte. Uma defesa que assume o interesse individual acima do da sociedade que, nas suas leis e códigos, visa proteger a vida.
- A eutanásia não defende a morte, mas a escolha pela mesma por parte de quem a concebe como melhor opção ou a única.
- Quando uma pessoa passa a ser prisioneira do seu corpo, dependente na satisfação das necessidades mais básicas, o medo de ficar só, de ser um "fardo", a revolta e a vontade de dizer "Não" a essa situação, levam-no a pedir o direito a morrer com dignidade.
- No Brasil é apontado como suporte a essa posição o art. 1º, III, da Constituição Federal, que reconhece a "dignidade da pessoa humana" como fundamento do Estado Democrático de Direito, bem como o art. 5º, III, também da Constituição da República, que expressa que "Ninguém será submetido a tortura nem a tratamento desumano ou degradante", além do art. 15 do Código Civil que expressa que "Ninguém pode ser constrangido a submeter-se, com risco de vida, a tratamento médico ou a intervenção cirúrgica", o que autoriza o paciente a recusar determinados procedimentos médicos, e o art. 7º, III, da Lei Orgânica de Saúde, de nº 8.080/90, que reconhece a "preservação da autonomia das pessoas na defesa de sua integridade física e moral".

E eu sou contra ou a favor? Bem, acho que cada caso deve ser avaliado criteriosamente. Realmente, não defendo nem os CONTRAS nem os A FAVOR, embora tenha simpatia pelos argumentos dos A FAVOR, especialmente pelas ponderações do Paulo Santana (abaixo). Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é... (já diz a música, né?)

E você sabia? Existem cidades que permitem a Eutanásia, sim. Veja o texto (que me motivou a escrever sobre o assunto) do Paulo Santana (Jornalista e cronista gaúcho, polêmico e inteligente): http://wp.clicrbs.com.br/paulosantana/2010/02/20/turismo-da-eutanasia/?topo=77,1,1

E se fosse com você?

quarta-feira, 10 de março de 2010

Trade Marketing e Clubes de Compra




Já escrevi outras vezes sobre Trade Marketing, na real, sobre PONTO-DE-VENDA, inclusive, referindo-me a esse ambiente sob outra nomenclatura: PONTO-DE-ENCONTRO. Pesquise no site, prá que eu não tenha que me repetir e ser chatinha, tá?

Bem, Trade Marketing tem algumas definições, veja o que encontrei na internet:

O Trade Marketing é uma parte importante na estratégia de Marketing das empresas que planejam maximizar a diferenciação dos seus produtos e serviços nos pontos-de-venda. É, consequentemente, uma disciplina de Marketing, que orienta o desenvolvimento das relações entre fabricantes e canais de venda, pelo entendimento das necessidades entre marcas, pontos-de-venda e consumidores.
.................
O Trade Marketing estabelece ainda, a necessidade de se adaptar produtos, logística e estratégias de marketing, de modo a conquistar o consumidor nos pontos-de-venda, com um modelo de parceria entre os fabricantes e seus canais de vendas.
.................
Segundo Marcelo Montandon, professor e consultor de Marketing e Vendas, “significa adaptar os produtos, as políticas e as estratégias de marketing das marcas, de modo a atingir o consumidor nos pontos de venda, satisfazendo da melhor maneira possível as necessidades de canais comerciais específicos e de clientes estratégicos. Resumindo, o Trade busca maximizar o share”.

Sobre os clubes de compras (ou clubes fechados), indico um: Brands Club. Veja: http://blog.brandsclub.com.br/

“O Brands Club é um fenômeno dirigido por um francês – Olivier Grinda – e que, em pouco tempo e a base de um marketing agressivamente eficaz, tornou-se o número 1 em vendas pela internet no Brasil. É realmente de impressionar a quantidade de grifes que participam do clube de compras, o giro e os descontos surreais que dá pra conseguir em determinadas peças....... Funciona assim: é um clube fechado, ou seja, você precisa de autorização para tornar-se membro e poder usufruir dos descontos. Todo dia muda o estoque. A grife que entrou ontem pode não estar mais lá amanhã, é tipo oportunidade única. Top grifes como Reserva, Gloria Coelho, Marc Jacobs, Chanel, Isabela Capeto, Forum… selecionam peças que serão destinadas à venda com um descontão apenas e tão somente no Brands Club. Uma vez sócio do site, você recebe os avisos indicando quais são as marcas e os descontos da hora e está pronto para consumir. Se encontrar a mesma peça na loja original, com certeza não será pelo mesmo valor.” (Comentário by Sylvain Justum, stylist e jornalista freelancer)

(Dóris falando: “Ei, e meu amigo Lorenzo Merlino e sua marca do mesmo nome também esteve por lá...”)

Na real, a forma de vender ao consumidor final (e aqueles que compram para o consumidor final) evolui cada vez mais. Com a concorrência de tudo sobre tudo, o ambiente que vende, seja tratado como PDV ou PDE (como eu chamo), fez o Trade Marketing buscar a excelência da criatividade aliada a eficácia. Ou seja, não basta ser criativo, tem que ser eficaz. Então, nem só criativo, e nem só metas a cumprir. Trade Marketing.

Estive nesse encontro, o II Meeting de Trade Mkt do RS, agora em Fevereiro, na Espm de Porto Alegre (RS). Nesse bate-papo/palestra, estiveram Rubens Sant’Anna (Sant’Anna Inamoto), Rogério Lima (Boehringer do BR) e Rodrigo Macchi (Diageo BR). Registrei alguns comentários:

- Trade Marketing não é Mkt Promocional. O segundo não precisa acontecer necessariamente no ponto-de-venda. O primeiro acontece sempre no ponto-de-venda.

- Sinteticamente, Trade Mkt visa maximizar e gerenciar os resultados dos canais de venda no PDV.

- Trade Mkt é a inteligência do canal.

- Funções do merchandising: estímulo, atração e conversão.

- Cross Merchandising: expor produtos complementares próximos (ex: pipoca ao lado de um pote de pipocas).

- Explorar sempre os pontos de sensibilização do Trade Mkt. É vital.

- Qual a diferença de shopper e consumidor final? Consumidor = foco em consideração; Shopper = foco em conversão.

Então, vamos converter a comunicação em eficácia de vendas. Eis o Trade + Marketing. Trade Marketing.

A verificar, para os curiosos: http://www.exclusivo.com.br/?noticias/57194/Entrevista:+Francisco+Alvarez,+especialista+em+marketing.eol

E aqui, um pouco de uma bela peça estratégica pela web: http://producten.hema.nl/

E por que a imagem da bússola, nesse texto? Trade Marketing, quando bem planejado e especialmente bem executado, é a grande bússola do mercado.

E por que associei Trade Marketing e Clubes de Compras? Porque considero que os Clubes de Compra são uma das estratégias advindas da observação do PDV. Que deixou de ser PDV para ser PDE.

quinta-feira, 4 de março de 2010

Pena que não deu certo. Fala sério!




Tem boneca de plástico/inflável roubando marido por aí. Como diria o Faustão: “Ô loko, meu!”

Não acredito que ainda existam pessoas que pensem assim hoje em dia. Do que estou falando?
1) De preconceito de idade (mulheres mais velhas com garotos)
2) Achar que uma relação, prá “dar certo”, precisa ser para o resto da vida

Da questão que listei como a 1, tenho as seguintes ponderações para você pensar a respeito:
- Homens sempre tiveram relações amorosas com mulheres mais novas, e a sociedade sempre aceitou isso, razoavelmente bem. Por que mulheres mais velhas não podem fazer o mesmo, em tratando-se de homens mais jovens?
- Apesar de ser favorável a ambas as situações, fica um alerta: a diferença da linguagem, gírias, conhecimentos contemporâneos de cada época, pode sim, representar um hiato na relação. Então, em ambos os casos, é preciso que se mantenham atualizações da época, prá entender o “Tia, tem Toddy?” (veja o texto do Scliar: http://www.clicrbs.com.br/especial/rs/donna/19,208,2799175,Moacyr-Scliar-Perder-o-amigo-ou-perder-a-piada-.html)

Já quanto ao item 2, quer expressão mais boboca do que aquela dita por alguém, quando sabe que um casal “se separou”? A frase “Pena que não deu certo” é tão boboca, bobinha mesmo.... como assim, não deu certo? Claro que deu! No tempo que tinha que dar! Ok, seria lindo e maravilhoso, perfeito mesmo, se realmente o “viveram felizes para sempre” ou “até que a morte os separe”, funcionasse. Mas a vida real não tem sido assim. Então, separar-se pode até ser trágico (de fato, já postei em outro texto, as três piores dores que alguém pode passar: a perda de um ente querido, a perda de um emprego ou o término de uma relação), mas essa de que não deu certo, é bobo. Porque deu certo no exato tempo que deveria dar certo. Quantos casais permanecem juntos, casados, e esses sim, não dão certo? Vivem infelizes pelos cantos e muitas vezes, compensando com outros/outras... ISSO é dar certo?

Helloooooooo. Acordem, pessoas.

E prá dar boas risadas, apresento aqui (recebi por email), os dois menores e MELHORES contos de fadas do mundo, atribuída autoria ao maravilhoso Luís Fernando Veríssimo:


Conto de fadas UM para mulheres do século 21


Era uma vez uma linda moça que perguntou a um lindo rapaz: Você quer casar comigo?

Ele respondeu: NÃO!

E a moça viveu feliz para sempre, foi viajar, fez compras, conheceu muitos outros rapazes, visitou muitos lugares, foi morar na praia, comprou outro carro, mobiliou sua casa, sempre estava sorrindo e de bom humor, nunca lhe faltava nada, bebia cerveja com as amigas sempre que estava com vontade e ninguém mandava nela. O rapaz ficou barrigudo, careca, o pinto caiu, a bunda murchou, ficou sozinho e pobre, pois não se constrói nada sem uma MULHER.

FIM!!!


Conto de fadas DOIS para mulheres do século 21


Era uma vez, numa terra muito distante, uma linda princesa independente e cheia de auto-estima que, enquanto contemplava a natureza e pensava em como o maravilhoso lago do seu castelo estava de acordo com as conformidades ecológicas, se deparou com uma rã. Então, a rã pulou para o seu colo e disse:
- Linda princesa, eu já fui um príncipe muito bonito. Mas uma bruxa má lançou-me um encanto e eu transformei-me nesta rã asquerosa. Um beijo teu, no entanto, há de me transformar de novo num belo príncipe e poderemos casar e constituir um lar feliz no teu lindo castelo. A minha mãe poderia vir morar conosco e tu poderias preparar o meu jantar, lavarias as minhas roupas, criarias os nossos filhos e viveríamos felizes para sempre...

E então, naquela noite, enquanto saboreava pernas de rã à sautée, acompanhadas de um cremoso molho acebolado e de um finíssimo vinho branco, a princesa sorria e pensava:
- Nem fo...den...do!


Por questões totalmente impensadas, por incrivelmente ter gente que encara o sexo de uma forma totalmente fora da real, é que existem tantas traições esdrúxulas... como o caso do homem que traiu a mulher com uma boneca de plástico/inflável. Isso é muito louco. E aconteceu de verdade. Veja comentário do também maravilhoso Scliar: http://www.clicrbs.com.br/especial/sc/donna/19,0,2820487,Moacyr-Scliar-O-amante-da-boneca.html

E mais, do “Planeta Bizarro”:
http://g1.globo.com/Noticias/PlanetaBizarro/0,,MUL93613-6091,00-BONECA+INFLAVEL+VIRA+PARCEIRA+EM+PROVA+DE+NATACAO+NA+RUSSIA.html

Como sempre digo: o ser humano não tem limites. Ainda mais, quando insiste em não ser humano.

terça-feira, 2 de março de 2010

Hipocrisia: Jesus ou Alcides?




O QUE CHAMA MAIS A SUA ATENÇÃO, NAS NOTÍCIAS?

Sinceramente, Alcides me chama mais atenção. E deveria ser assim com todos. Espero realmente que sim. Pensar e revoltar-se é o primeiro passo para a ação, no mínimo, para a ação de conscientizar seres que dizem ser humanos.

Quantos Alcides ainda vão morrer? Quantas pessoas decentes, que fazem um mundo melhor, ainda vão morrer? Pessoas que lutam, que se superam, que pensam nos outros... e são assassinadas? Alcides morreu porque não respondeu o que os assassinos queriam ouvir? Existem teorias policiais que dizem “Eles perguntaram ao estudante pelos homens que procuravam e como ele não respondeu, foi morto”. Veja sobre o caso, aqui: http://pe360graus.globo.com/noticias/policia/homicidio/2010/02/06/NWS,507290,8,155,NOTICIAS,766-ESTUDANTE-UFPE-ASSASSINADO-TIROS-BAIRRO-TORRE.aspx

Enquanto isso, algumas pessoas se impressionam ou se chocam com campanhas ou a mídia desse tipo: http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,imagem-de-jesus-fumando-e-bebendo-causa-indignacao-na-india,513438,0.htm

Jesus fumando? E daí se ele fumava? A questão não é essa. A questão é usar mensagens que realmente chamem atenção, e que faça ao menos algumas pessoas, pensarem. E agirem diferente. Ou buscarem ações que façam os outros agirem de forma mais verdadeiramente, humana. Se Jesus fumava ou não, essa não é a questão. Preocupe-se mais com os Alcides que morrem por aí. E existem muitos.

Sabe, assisti o filme Distrito 9, e mais uma vez, cheguei a uma conclusão: nós somos menos humanos que qualquer alienígena. Assista o filme e tire suas conclusões. Veja sinopse e outros: http://www.adorocinema.com/filmes/distrito-9/#ficha-tecnica

E só uma coisa: não sou fumante e nunca gostei de cigarro. Mas saber que tem mais e mais Alcides morrendo, me deixa muito pior que a fumaçinha do cigarro.

EBAAAA! Bom te ver!


Penso, logo, existo. E... se você está aqui, quer saber como eu penso. Se quer saber como eu penso, no mínimo, é curioso.


Curiosos ALOHA fazem bem para o mundo. Então, é nós no mundo, porque não viemos aqui a passeio!


Busco uma visão de longo alcance, sem aceitar verdades absolutas, preservando valores ALOHA, que são o ideal para um mundo mais honesto e verdadeiro.

Assuntos desse blog

Siga-me por email