O que você encontra aqui?

Coisas do mundo e conceitos da autora, que tem uma visão contemporânea do comportamento humano.

sexta-feira, 12 de março de 2010

Turismo de Eutanásia: matando a dor?




Polêmica mundial: o Jornalista que declarou, depois de vários anos, que praticou Eutanásia para com seu marido/namorado (namorido?). E aí, você é contra ou a favor da Eutanásia?

Encontrei algumas posições contra e outras a favor, na internet. Veja o que separei a respeito:

Os contra:
- Do ponto de vista religioso a eutanásia é tida como uma usurpação do direito à vida humana, ou seja, só Deus pode tirar a vida de alguém. Algumas religiões, apesar de estarem conscientes dos motivos que levam um doente a pedir para morrer, defendem acima de tudo o caráter sagrado da vida.
- Da perspectiva da ética médica, tendo em conta o juramento de Hipócrates, segundo o qual considera a vida como um dom sagrado, sobre a qual o médico não pode ser juiz da vida ou da morte de alguém, a eutanásia é considerada homicídio. Cabe assim ao médico, cumprindo o juramento Hipocrático, assistir o paciente, fornecendo-lhe todo e qualquer meio necessário à sua subsistência. Para além disto, pode-se verificar a existência de muitos casos em que os indivíduos estão desenganados pela medicina tradicional mas acabam obtendo a cura por métodos alternativos.
- Outro argumento contrário a eutanásia, centra-se na parte legal, uma vez que o Código Penal atual condena qualquer ato antinatural na extinção de uma vida. Ou seja, o auxilio ao suicídio ou o homicídio (mesmo que a pedido da vitima ou por "compaixão"), é punido criminalmente na maioria dos países.
- E aqueles que se beneficiariam com a morte do paciente (parentes, heranças e etc), não poderiam estimular essa “solução” como uma forma ao auto-benefício?

Os a favor:
- Para quem argumenta a favor da eutanásia, acredita que esta seja um caminho para evitar a dor e o sofrimento de pessoas em fase terminal ou sem qualidade de vida.
- Acreditam na autonomia absoluta de cada ser individual, com direito à autodeterminação e escolha pela sua vida e pelo momento da morte. Uma defesa que assume o interesse individual acima do da sociedade que, nas suas leis e códigos, visa proteger a vida.
- A eutanásia não defende a morte, mas a escolha pela mesma por parte de quem a concebe como melhor opção ou a única.
- Quando uma pessoa passa a ser prisioneira do seu corpo, dependente na satisfação das necessidades mais básicas, o medo de ficar só, de ser um "fardo", a revolta e a vontade de dizer "Não" a essa situação, levam-no a pedir o direito a morrer com dignidade.
- No Brasil é apontado como suporte a essa posição o art. 1º, III, da Constituição Federal, que reconhece a "dignidade da pessoa humana" como fundamento do Estado Democrático de Direito, bem como o art. 5º, III, também da Constituição da República, que expressa que "Ninguém será submetido a tortura nem a tratamento desumano ou degradante", além do art. 15 do Código Civil que expressa que "Ninguém pode ser constrangido a submeter-se, com risco de vida, a tratamento médico ou a intervenção cirúrgica", o que autoriza o paciente a recusar determinados procedimentos médicos, e o art. 7º, III, da Lei Orgânica de Saúde, de nº 8.080/90, que reconhece a "preservação da autonomia das pessoas na defesa de sua integridade física e moral".

E eu sou contra ou a favor? Bem, acho que cada caso deve ser avaliado criteriosamente. Realmente, não defendo nem os CONTRAS nem os A FAVOR, embora tenha simpatia pelos argumentos dos A FAVOR, especialmente pelas ponderações do Paulo Santana (abaixo). Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é... (já diz a música, né?)

E você sabia? Existem cidades que permitem a Eutanásia, sim. Veja o texto (que me motivou a escrever sobre o assunto) do Paulo Santana (Jornalista e cronista gaúcho, polêmico e inteligente): http://wp.clicrbs.com.br/paulosantana/2010/02/20/turismo-da-eutanasia/?topo=77,1,1

E se fosse com você?

Nenhum comentário:

EBAAAA! Bom te ver!


Penso, logo, existo. E... se você está aqui, quer saber como eu penso. Se quer saber como eu penso, no mínimo, é curioso.


Curiosos ALOHA fazem bem para o mundo. Então, é nós no mundo, porque não viemos aqui a passeio!


Busco uma visão de longo alcance, sem aceitar verdades absolutas, preservando valores ALOHA, que são o ideal para um mundo mais honesto e verdadeiro.

Assuntos desse blog

Siga-me por email