O que você encontra aqui?

Coisas do mundo e conceitos da autora, que tem uma visão contemporânea do comportamento humano.

terça-feira, 30 de junho de 2009

Cafajestes e dores emocionais



Existem muitos tipos de pessoas. De mulheres. De homens.

E as revistas femininas gostam disso, de classificar por gêneros. Certas ou erradas, no mínimo elas tem um norte, uma linha de raciocínio. E no mínimo por curiosidade, ou em salões de beleza/centros estéticos, a gente acaba lendo... no mínimo, prá ver se conhece alguém nesses perfis.

Esses dias, li uma matéria da Revista Marie Claire que tem "dicas" interessantes, não sei se reais ou não, mas interessantes: “Como reconhecer um cafa...jeste!” Pois é, e para não ser redundante e fazer um “serviço de utilidade pública”, deixo a matéria prá você mesmo (mesma) concluir.

Aqui, não defendo ou critico, apenas estou divulgando. Boa leitura, proveito, diversão e pior... associação com a vida real, ou ainda pior: a sua vida!

Veja:
http://revistamarieclaire.globo.com/Marieclaire/0,6993,EML1693747-1740,00.html

E prá se divertir:
http://manualdocafajestemoderno.blogspot.com/2007/12/os-dez-mandamentos-do-cafajeste-moderno.html

E tudo isso, entre outras coisas, pode gerar dores emocionais. Veja as dicas do dr. John Sarno (Êta... nome estranho, né?):

1 - Eu crio dores crônicas e outros sintomas físicos para não enfrentar a dor emocional.

2 - Tomar consciência disso (a cada dia, cada momento) é o primeiro passo para aliviar a dor crônica.

3 - Ao longo da vida fui enchendo meu reservatório inconsciente de mágoa, raiva, ressentimento, medo, insegurança, vergonha, alimentando uma dor emocional que a mente consciente evita enfrentar a qualquer preço, a ponto de fabricar “doenças”.

4 - Novos dissabores e estresses podem fazer esse reservatório transbordar.

5 - Eu posso mudar minha atitude diante da vida e parar de encher esse reservatório de mágoa.

6 - Aceitar a dor como algo natural e humano, em vez de lutar contra ela - ou anestesiá-la - permite que ela aos poucos diminua e vá embora.

7 - Não adianta tratar os sintomas fisicos com remédios, fisioterapias, cirurgias, clínicas da dor, porque minha mente vai continuar criando outros sintomas.

8 - Me aceitar como eu sou, me conhecer melhor, dividir com os outros minhas emoções mais profundas é o caminho. Psicoterapia ajuda mas não é indispensável.

9 - Boa alimentação, exercício vigoroso e assíduo, parar com hábitos autodestrutivos como o abuso de álcool, drogas, cigarro, escolher a saúde. Chega de doença.

10 - Ser grato por estar vivo, ajudar os outros no que for possível, pedir a Deus serenidade pra aceitar o que não posso mudar, e coragem para mudar o que posso.


Isso vale para tudo, galerinha!

Um comentário:

Gedilson disse...

Engraçado, não entendo como as mulheres não reconhecem um canalha logo de cara, os homens os reconhecem a 1Km de distância. Eles sempre tem um sorriso mal intencionado, olha de forma diferente para mulher, não falam nada do que pensam... não entendo a dificuldde de vocês de diferenciar um ator, de um apaixonado.

Ciao

EBAAAA! Bom te ver!


Penso, logo, existo. E... se você está aqui, quer saber como eu penso. Se quer saber como eu penso, no mínimo, é curioso.


Curiosos ALOHA fazem bem para o mundo. Então, é nós no mundo, porque não viemos aqui a passeio!


Busco uma visão de longo alcance, sem aceitar verdades absolutas, preservando valores ALOHA, que são o ideal para um mundo mais honesto e verdadeiro.

Assuntos desse blog

Siga-me por email