O que você encontra aqui?

Coisas do mundo e conceitos da autora, que tem uma visão contemporânea do comportamento humano.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Eu amo meus sobrinhos e nossos pequenos


Sabe quando você ama muito alguém que não é seu filho, mas é quase como se fosse? Sim, sobrinhos. E talvez nem todos sintam o mesmo. Não é obrigatório que todos os tios e tias sintam a mesma coisa. Não se martirize se você não o sente, ou se você teve ou tem tios e tias que não são lá essas coisas. A vida não é uma regra estanque, em termos de sentimentos. Tudo é uma construção das relações, já falei isso umas trocentas vezes. Ah, “trocentas” é palavra que não existe, ou existe só no dicionário coloquial, tá ligado? “Tá ligado” também é uma expressão que não... ah, deixa prá lá. Ou PARA lá.

Obras do meu sobrinho mais old

Voltando aos sobrinhos, eles são presentes. Lindos e demais. Sim. Fatíssimo caríssimo importantíssimo.

Amo ser tia. Amo meus queridos. Amo muito.

E espero fazer justiça à honra de ter essas pessoas lindas na minha vida. Devo isso aos meus irmãos, que amo em primeiro lugar, meus quase filhos que hoje quase se tornaram pais (sou a tia “ovelha negra da família”, a mais rebeldezinha apesar de ser a mais velha, veja só)

Nicolinno. Olivetto.
Um que não é pepino.
Outro que não é graveto.

Das várias aventuras de meus nem mais tanto, pequenos

O que fazemos ou deixamos de fazer para as crianças é o maior presente.

Separações maduras

Pais: sejam responsáveis. Vocês se separaram da mãe, não dos filhos.

Mães: não usem a relação com o ex como moeda de troca.

Porque falo isso? Ainda vivemos uma grande maioria de casos de separações familiares onde as crianças moram com as mães.

Adultos sejamos. E vamos lembrar da importância de nossas atitudes na vida dessas pessoas que são exatamente isso: pequenas pessoas.

Gerando mimadex

Pare de mimar pessoas. Você não as está ajudando, pode crer. E está fazendo uma atrocidade ao mundo. Criando párias arrogantes.

Crianças precisam de limites, fique ligado na educação francesa, que impõe esses limites. Com perdão a visão do “Vamos dialogar”, mas tem coisas que não se pergunta a uma criança, manda-se nela. Afinal, ela não tem ainda o discernimento necessário para tomar certas decisões, não concorda? Que tal? Opa, não deveria perguntar tanto. Ou sei lá, entende? Hellozinho.

Vejam textos de apoio a education, please:







Campanha do Boticário Natal 2016: https://www.youtube.com/user/boticario

E por que do plástico-bolha, no início desse texto? Bem, quer que eu lhe mostre? Ele nos torna crianças de novo, não concorda? Veja: https://www.youtube.com/watch?v=1YsGFY0Fci4

Nenhum comentário:

EBAAAA! Bom te ver!


Penso, logo, existo. E... se você está aqui, quer saber como eu penso. Se quer saber como eu penso, no mínimo, é curioso.


Curiosos ALOHA fazem bem para o mundo. Então, é nós no mundo, porque não viemos aqui a passeio!


Busco uma visão de longo alcance, sem aceitar verdades absolutas, preservando valores ALOHA, que são o ideal para um mundo mais honesto e verdadeiro.

Assuntos desse blog

Siga-me por email