O que você encontra aqui?

Coisas do mundo e conceitos da autora, que tem uma visão contemporânea do comportamento humano.

domingo, 25 de outubro de 2009

Mentes Perigosas ou Mentes Flácidas?



Parece que tem uma moda nova: bipolaridade. Da ansiedade passando ao stress, depois para a depressão, seguida da síndrome do pânico, agora é essa a nova moda. Ou estou desatualizada?

Acho que está faltando mais filosofia e esportes. Se as pessoas pensassem mais e praticassem um esporte que exercita a adrenalina, as coisas seriam mais simples, o mundo melhor, tudo de bom.

Pensar nelas mesmas, em seus limites e capacidades, auto-conhecimento. E pensar no que elas podem fazer em prol dos outros, os mais próximos e os não tão próximos.

Encontrei algumas definições na internet, para facilitar a vida de quem está lendo meu blog. Acompanhe.

1) Ansiedade:
“Ansiedade, angústia, medo, insegurança, timidez são todos parentes próximos, diríamos que frutos de uma mesma árvore. Embora a ansiedade contenha atributos orgânicos (é uma conseqüência normal do funcionamento do corpo), ela é uma decorrência do funcionamento mental. Ela se traduz por uma pressa, uma ânsia para o movimento, uma inquietação interior, uma aflição do corpo, para que aquilo que estiver acontecendo acabe logo.Também pode aparecer como um desejo exagerado para que algo aconteça, como se esse algo fosse muito bom, gostoso e agradável. A mente de uma forma mentirosa promete que quando acabarmos aquilo que nos gera ansiedade, tudo ficará tranqüilo, ficaremos sossegados, viveremos a glória ou não correremos mais perigo. A realidade é diferente, pois a ansiedade vicia e, quanto mais pressa temos, mais falta sentimos dela. A mente se habitua à pressa e passa a precisar dela. E nós ficamos aprisionados a ela, sempre ansiosos querendo acabar, chegar lá e percebendo, impacientes e impotentes, que sempre há mais para se fazer.”

2) Stress:
“O stress é uma doença de adaptação ao meio, em que o indivíduo, em função das estimulações, excitações e agressões externas, acaba produzindo uma escalada progressiva na defesa de seu organismo. No início é só um aumento do alerta geral, estimulando o sistema vegetativo e o cérebro para se defenderem. O stress pode ser até benéfico no desempenho, pois estimula a atenção nas tarefas e a prontidão nas contrações musculares.”

3) Depressão:
“Depressão é uma doença marcada por mudanças extremas no comportamento, energia e ânimo de uma pessoa. Não é uma doença "de cabeça". Ela afeta tanto a mente quanto o corpo. É bem diferente de estar triste ou "deprê". Sentimentos ocasionais de tristeza são normais e podem ter inúmeras causas. Na depressão, sentimentos de tristeza são fora de proporção e nem sempre se relacionam a causas externas. Pessoas que não sofrem de depressão lidam com seus problemas (internos e externos) sem ficarem incapacitadas. O mesmo não acontece com depressivos. A doença interfere na habilidade pessoal de trabalhar, dormir, se relacionar, comer, de gostar de atividades antes consideradas prazerosas.”

4) Síndrome do pânico:
“O ar parece faltar, o coração fica acelerado, o suor empapa a roupa. Esses são apenas alguns sintomas de uma crise de síndrome do pânico, também caracterizada por boca seca, tremores, tonturas e um mal-estar geral, acompanhados pela sensação de que algo terrível irá acontecer. A pessoa sente que pode morrer ou enlouquecer nos minutos seguintes. Esse transtorno é causado pela chamada ansiedade patológica.”

5) Bipolaridade:
“A bipolaridade é um transtorno mental que faz com que uma pessoa mude de humor de forma extrema contra sua vontade. Não confundir com mau-humor (isto qualquer um pode ter). A bipolaridade é de fato uma doença crônica que afeta cerca de 1,5 % da população mundial. A doença também é conhecida como Transtorno Afetivo Bipolar – TAB, Transtorno Bipolar do Humor – TBH e antigamente era denominada de Psicose Maníaco Depressiva – PMD.”

Essa é uma época em que estamos aos poucos, enlouquecendo coletivamente? Sei não.... acho que isso tudo acaba sendo gerado pela extrema futilidade e pelo descarte de sentimentos, de pessoas, de relações. Seria esse o preço da extrema individualidade, do egoísmo em excesso, dos valores não valorosos? Da falta de empatia, da falta da simplicidade, da falta do NO STRESS? De vivermos em um mundo construido por cada um de nós, mais ALOHA NAMASTÊ? People, eu sou idealista, e não deixarei nunca de acreditar em um mundo e em pessoas mais ALOHAS. Esse é o melhor tratamento para as doenças ditas psicológicas: mais coletividade, menos individualidade sempre e forever. Mais sinceridade, mais verdade. Menos fazeção.

E não atribua seus erros, a fatalidade. Ou ao diabinho ou anjinho que fica assoprando no seu ouvido. Sua consciência pode até estar adormecida, mas Lao-Tsé já dizia:

“A alma não tem segredo que o comportamento não revele.”

Então: a mente está perigosa ou flácida, onde as pessoas estão sem pensar ou fogem das análises existenciais? Falta mais isso: auto-conhecimento. Conhecer seus próprios limites. Para respeitar o dos outros.

Um comentário:

BIPOLARBRASIL disse...

Pois é... Mas tem situações em que mesmo que o 'individuo' se esforce, simplesmente nada acontece... As vezes a "adrenalina" parece não ser muito fã de certos organismos... Parabéns pela reflexão! Fez-me pensar! E como é bom...

EBAAAA! Bom te ver!


Penso, logo, existo. E... se você está aqui, quer saber como eu penso. Se quer saber como eu penso, no mínimo, é curioso.


Curiosos ALOHA fazem bem para o mundo. Então, é nós no mundo, porque não viemos aqui a passeio!


Busco uma visão de longo alcance, sem aceitar verdades absolutas, preservando valores ALOHA, que são o ideal para um mundo mais honesto e verdadeiro.

Assuntos desse blog

Siga-me por email