O que você encontra aqui?

Coisas do mundo e conceitos da autora, que tem uma visão contemporânea do comportamento humano.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Quem é que tá podendo?



Funcionário Público x Empreendedor? Tenho percebido um movimento estranho: a volta do funcionalismo público institucionalizado. Seria isso bom? Ou ruim? Um descrédito ao empreendedorismo? Falta de apoio aos empreendedores, por parte dos governantes públicos?

Bem, parece que estamos em um período em que as pessoas não acreditam no empreendedorismo, em geral. Cada vez mais, e mais cedo, alguns estão querendo, se candidatando, tentando, enfim, buscando cargos públicos. Seria isso bom? Sei não. Eu sou da linha empreendedora, mesmo que esteja paradinha, digamos assim. Mas admiro, respeito e acredito nos bons empreendedores, independente do tamanho, da idade e de quem sejam. Confesso que admiro mais aqueles que ralaram do “zero bala”, ou seja, que não são príncipes herdeiros. Ou princesas. Mas até que hoje em dia, em alguns casos, manter patrimônio, empresas e tudo de bom, já é um desafio, um mérito, e essas coisas dignas de elogios.

As árvores não crescem ininterruptamente até o céu”. Essa frase é do Peter, o Drucker. Bem, estive no Congresso de Marketing e Vendas, da ADVB, e essa do Drucker foi uma das frases ditas por um dos palestrantes. Mas quem é esse “tiozinho”, o Drucker?

Peter Drucker foi filósofo e economista austríaco, e é considerado por todos o pai da Gestão moderna, sendo o mais reconhecido dos pensadores quanto aos efeitos da Globalização na economia em geral e em particular nas organizações. Ainda hoje, mesmo após a sua morte, permanece inquestionavelmente como “único” Pai da Gestão, subentendendo-se a Gestão moderna como a ciência que trata sobre pessoas nas organizações, como dizia ele próprio (da internet).

E ainda: uma das expressões ditas no evento foi “abdução no mercado”, ou seja, captar no presente sinais do futuro e criar na empresa mecanismos para aproveitar as oportunidades ou se antecipar as ameaças. Gostei disso: buscar HOJE o que pode acontecer AMANHÃ.

Outros conceitos: Internet não é mídia, é ambiente (essa foi de Conrado Adolpho Vaz, Marketing do Google). Ele ainda citou os 8 P´s do Mkt Digital: Promoção, Publicação, Produção, Projeto, Pesquisa, Precisão, Personalização e Propagação. E ainda: “Ofereça favor a seu cliente, e ele devolve credibilidade.” E citou essa frase, do Monteiro Lobato: “A melhor maneira de encontrar o seu cliente é ser encontrado por ele.”

Já o palestrante Sandro Magaldi, falou: "70% do fracasso não é da má estratégia, é da má execução.”

E como estou no “meu” mês, ouso ser ousada: associo empreendedorismo com tendência e funcionalismo como onda seguindo a moda.

Como assim? A definição de cada uma:

- Onda: Vem com um impacto muito grande, mas se dissipa rapidamente. As pessoas a incorporam sem saber por quê.
- Moda: É incorporada de maneira consciente na rotina, mas não acarreta uma mudança de comportamento. Tem um impacto menor do que a onda, e dura menos tempo.
- Tendência: É o resultado de uma mudança de comportamento. Começa mais tímida do que a moda e a onda, mas sua duração é grande e tem impactos profundos.

Trouxe o resuminho do Congresso de Marketing, porque ele é focado em empreendedorismo, seja de um empresário ou executivo. E digo a vocês, queridos jovens bacanas: não desistam de ser empreendedores, não desistam de seu potencial criativo e não desistam de tentar a diferenciação.

Perdoem-me os funcionários públicos, nada absolutamente contra. Mas os empreendedores natos, aqueles que conseguem vender sanduíche na praia, tem um chip diferente dos outros. São sedutores da inovação. São aqueles que quase sempre “estão podendo”.

"Quando eu crescer", quero ser "que nem" eles. Sedutores-inventores. Ah, e quanto a frase do Drucker: pode ser que elas não cresçam, mas bem que poderiam, né mesmo?

Um comentário:

Gedilson disse...

Acredito que muitas pessoas prefiram o funcionalismo público, por causa da estabilidade e da tranquilidade que proporciona. Todos nós somos clientes e fornecedores, quem opta por trabalhar para o governo, escolheu trabalhar para um cliente superpoderoso, que sempre precisará de seus serviços, e nunca exige que você abaixe seus preços; e a relação deles(funcionários públicos) com seus fornecedores nunca atrapalha sua relação com o seu cliente(governo).
No empreendedorismo, nossos clientes não são estáveis, sempre exigem velocidade e preços menores, e as vezes não pagam corretamente... E nossos fornecedores não aceitam atrasos no pagamento.

Eu acredito que quem é funcionário público tem uma noite mais tranquila, se estressa menos. Porém pra eles tudo é muito previsível, muito monótono.
O ser humano tem uma capacidade ilimitada justamente para enfrentar desafios. Nenhum ser da natureza se acomoda, mesmo as plantas brigam pelo sol e pelos polinizadores. Funcionários públicos podem se sentir muito desanimados pela falta de desafios, pela monotonia, mas pelo menos tem quem lhe pague sem falta, que é o governo; esse que é sustentado por todos os corajosos que estão fora do funcionalismo público.


Cabe a cada um decidir o que é melhor pra sí.


Boa semana pra você!

EBAAAA! Bom te ver!


Penso, logo, existo. E... se você está aqui, quer saber como eu penso. Se quer saber como eu penso, no mínimo, é curioso.


Curiosos ALOHA fazem bem para o mundo. Então, é nós no mundo, porque não viemos aqui a passeio!


Busco uma visão de longo alcance, sem aceitar verdades absolutas, preservando valores ALOHA, que são o ideal para um mundo mais honesto e verdadeiro.

Assuntos desse blog

Siga-me por email